Não adianta tratar como se fosse assaltante de rua

* análise sobre as estatísticas dos casos de violência contra a mulher, publicada na versão on line do jornal o Estado de São Paulo, em 26 de setembro de 2013. Disponível em: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,nao-adianta-tratar-como-se-fosse-assaltante-de-rua,1078880,0.htm

 

A pesquisa trouxe o resultado esperado. Enquanto existir um modelo punitivo, não haverá prevenção. E a punição ocorre quando a mulher já foi vítima do crime. A lei tem sua importância, mas não a usamos na totalidade, como campanhas contra a violência, mudança na educação da população e atendimento multidisciplinar.

O único caminho é a delegacia da mulher. E não é um crime comum, acontece entre pessoas que tem um relacionamento. Não adianta querer tratar como se fosse um assaltante de rua. O positivo é que a lei trouxe o assunto para a opinião pública. Hoje a violência contra a mulher é considerada uma violação de direitos humanos, e o Brasil tem um compromisso assumido.

 

 

Anúncios

Um comentário sobre “Não adianta tratar como se fosse assaltante de rua

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s